Os mistérios do QUASE

Foi numa ou noutra esquina que dei por conta: A humanidade está toda impregnada de "ses". E é exatamente deste ponto que brotam muitas das nossas superstições do destino. Não sei o quê, mas que existe todo um mistério escondido por trás dos quase-acontecimentos (do que podia ter sido e, por alguma razão oculta, não foi), existe. 
E hoje, particularmente, estou aqui para dissecá-lo.
Conhecem uma dona que tem um marido beberrão. E ela que já fora formosa, a pele lisinha, lisinha, vem conquistando rugas até nos dentes por conta da preocupação. Mas quem é que ia saber que seria assim? Que o Seu Joaquim, que costumava ter tanto charme e uma bela carteira, logo o Seu Joaquim se tornaria um velho beberrão. E ainda por cima barrigudo! E ela era tão jovem, a pele tão, tão lisinha... Quem ia saber, quem!

Se bem que, uns dois dias antes da dona em questão se entregar ao seu atual destino, vê que houve um outro moço - um que não tinha lá tanto charme quanto Seu Joaquim tivera na mocidade, mas ele tinha um charme, ah, tinha. Também a carteira do segundo moço podia não ser, assim, tão cheia, mas sabe que vazia ela não estava. O segundo moço que apareceu dois dias antes, e, por um tantinho de acasos, fez com que a Dona da pele lisa olhasse para ele, e, por outro tanto, o perdesse de vista em nome do charme maior de Joaquim. Quem se vê... Quem vê que com este segundo moço, por uma olhadela, a dona hoje podia não ter tanta ruga... e vê que foi por um se, por um se que a dona não se livrou do barrigudo em potencial que até então Joaquim, ocultamente, era. Ora, só pode ser carma! E se ela tivesse olhado mais. E se o tivesse conhecido melhor. E se (Percebe que, além de misterioso, o destino é cheio de artimanhas). Só pode ser carma.

Só pode, que de trás de tanto charme haveria a possibilidade (agora, confirmada) de um beberrão careca (era careca ou era barrigudo?), um beberrão escondido careca e barrigudo que - quem ia saber! - desgastou a pele tão lisa da dona...

Pela dona, não sei mais, mas para todo o resto, é muito bom ficar de olho nos quase, que tudo, tudo podia ser diferente num só Se que ousasse acontecer.

Estamos por um fio.

( Juliana Gama )

Um comentário:

  1. Belo texto, Ju. Oportunidades perdidas de fato não voltam. Ao mesmo tempo em que esse risco dos "ses" pode ser a graça da vida, pode ser a grande desgraça dela...

    ResponderExcluir